24 de dez de 2009

FanFics - Divinos Pecados - capítulo 05

fanfics - Divinos Pecados


Impulso

~*~

  Sakura encarou a madeira do beliche de cima, permitindo-se mergulhar em devaneios. O sonho ainda era vívido em sua mente e, embora o tenha relatado para Ino na esperança de sentir-se aliviada, isso não havia ajudado muito. Passou a mão sobre o rosto.

Por quê aqueles pesadelos estavam acontecendo? Há mais de cinco anos que não tinha esses pesadelos realistas que a desnorteavam. E sempre eram com mortes de pessoas que lhe eram importantes. E sempre a responsável por essas mortes no sonho era Ela. Não fazia o menor sentido.

Ouviu batidas na porta e essa abriu em seguida, surgindo Kakashi. Enquanto ele fechava a porta, notou que carregava uma bandeja com sopa.
- Oi, Sakura-chan. Sente-se melhor?

-..s-sim.

Ela sentou-se de supetão, procurando ajeitar os cabelos. Deveria estar com uma cara péssima, tinha certeza.

- Pedi para o cozinheiro do navio preparar uma sopa. O chocolate é cortesia minha.

Colocou a bandeja no colo da kunoichi e sentou-se ao seu lado na beirada da cama. Provou algumas colheradas e ouviu o sensei dizer:

- Você me deixou preocupado.

Ela corou.

- ..gomen...é que...o sonho...

- Não fique se lembrando dele.

- Não sei o que está havendo. Ultimamente meus sonhos, todos eles, estão tão reais que meu corpo chega a interpretá-los como se fossem reais.

Olhos verdes se fixaram ao olho negro.
Sakura acreditou que suas palavras não podiam ser compreendidas pelo sensei. Envergonhava-se do sonho que tivera com ele mas quando o beijou, o desejo incontrolável de que aquilo se alastrasse superou qualquer pudor que pudesse ter.

Sabia que não podia, que era absurdo, mas ter feito aquela revelação subtendida havia sido proferida sem que pensasse. Seu único alívio e certa frustação,era que Kakashi não sabia o que aquelas últimas palavras haviam realmente insinuado.
Mas ele sabia.

Aqueles olhos verdes hipnotizantes interpretavam aquelas palavras e sua experiência de ninja também. Toda sua preocupação com o despertar daqueles poderes havia cedido á uma única pergunta inevitável:

" Que tipos de sonhos ela tem comigo?"

" Não se finja de tolo, Kakashi!" - viu se respondendo mentalmente. - " Esses olhos e as bochechas vermelhas dizem tudo. Ah, kami-sama! Por quê?"

Por fim, Sakura baixou os olhos, esvaziando o copo de água em um único gole. Fazia isso porque a sopa estava salgada e não porque sua própria insinuação a envergonhava.

" Ele entendeu, maldição! Mas não era isso que eu queria por isso falei?! Sakura, você é uma idiota mesmo! Se não quisesse que ele ficasse sabendo, não teria dito nada! Kuso!"

Pegou a barra de chocolate e abriu a embalagem, enfurecida consigo mesma. Deu duas mordidas e se lembrou de ser educada.

- Fque um fpedafço?

Kakashi não foi capaz de conter o riso. Sakura também não deixou de fazer o mesmo ao perceber que estava falando de boca cheia. Cobriu a boca com uma das mãos. Engraçado como não se incomodava em ser autêntica na frente dele. Com Sasuke sempre havia procurado portar-se com elegância e se manter impecável para que ele não a achasse estranha. Mas, diante de Kakashi, sentia que não haveria problemas em ser ela mesma.

- Ai, desculpa! - falou depois de engolir o doce e ofereceu novamente. - Quer um pedaço?

- Não, não!

- Ah, sensei! Garanto que não tem saliva minha nele!

- Eu não me importaria se tivesse.

O sorriso de Sakura começou a se desfazer e Kakashi percebeu que havia falado demais. Tratou de disfarçar.

- Pode comer, não estou com vontade de chocolate.

- ...sei. - riu com uma sobrancelha erguida. - Espero que isso não seja uma desculpa sua para não tirar a máscara na minha frente!

Alerta. Ambos se calaram, sabendo que corriam o grande risco de se excederem outra vez. Sakura terminou o chocolate em silêncio e Kakashi tratou de pegar a bandeja de seu colo.

A garota sabia que ele levaria a bandeja para a cozinha do navio, saindo dali. Não queria que ele fosse. Queria que o sensei ficasse. Pressentia que, se deixasse para lá, não teria outra oportunidade.

Segurou-o pela lapela da jaqueta.

-  Espera, sensei. Não me deixe aqui sozinha.

Kakashi obedeceu. Colocou a bandeja no aparador ao lado e tornou a se sentar na beirada da cama ao lado de sua aluna. Porém, bem mais perto do que deveria.

- Sakura. Foi só um pesadelo, não precisa ter medo...

" O quê?! Kakashi está realmente achando que eu quero que ele fique aqui porque estou aterrorizada por um pesadelo e com medo de ficar sozinha feito uma garotinha?! Tudo bem, aquele pesadelo foi horrível mas ele esqueceu do que aconteceu no convés? Ah, não..."


Os olhos verdes da kunoichi intrigaram Kakashi. Ela não estaria...

- ...me desculpe, Kakashi-sensei.

Mal disse tais palavras, Sakura inclinou o corpo para frente e o beijou, envolvendo os braços em seu pescoço.

O primeiro pensamento de Kakashi foi afastá-la, mas sabia que não era capaz. Pois queria aquilo.

Ao ter novamente os lábios dela sobre os seus mesmo por cima da máscara, abandonou o bom senso.

" Pare com isso, homem! É loucura, loucura!"


Precisava afastar a garota, mas se tocasse naquele corpo faria uma besteira sem precedentes. E ela sabia disso, pois seus dedos delicados acariciavam lhe a nuca fazendo-o se arrepiar de desejo.

" Eu estou beijando meu sensei! Só posso ter enlouquecido! Não posso deixar que ele se afaste..."


Abriu rapidamente os olhos e notou que o dele estava fechado. Era arriscado, mas tinha que tentar. Cuidadosamente acariciou a face dele e, lentamente começou a baixar a máscara.

Suas bocas ainda se moviam em um beijo quando Kakashi percebeu o que ela estava tentando fazer. Sakura teria que quebrar o beijo para lhe tirar a máscara e nessa hora ele deveria parar com aquilo.
Eles haviam sido professor e aluna. Eram companheiros de equipe. Possuíam grande diferença de idade. Havia jurado que a protegeria.

Isso não poderia se exceder mais.
Seus lábios se afastaram milímetros e mal a máscara havia sido abaixada, Sakura colou seus lábios aos dele.

Beije-a.

Sim. A boca dela era pequena, com lábios macios. Só a beijaria assim uma vez e pronto. Repetia para si mesmo não ficar colocando a língua dentro daquela boca, caso contrário não responderia mais por suas ações.

E acabaria causando muitos problemas á ela.

Precisava respeitar Sakura. Por mais que quisesse, por mais que desejasse, deveria se controlar. Ela estava louca e o estava enlouquecendo.

Segurou a cabeça da kunoichi com firmeza quando sentiu as mãos dela massagearem seu cabelo. Era impressão ou todo o corpo de Sakura cheira á...Sakuras?

Sakura estremeceu. O que eram aqueles beijos? Vorazes e ao mesmo tempo carinhosos. Sem a máscara era muito melhor e apenas se arrependia de não conseguir ver o rosto dele. Mas temia que, se afastasse para vê-lo, aquele momento acabaria para sempre.

Os beijos dele eram experientes e sabia exatamente como fazê-la desejar mais.

"- ...me ensine mais, sensei."


Ela havia pensado ou dissera mesmo aquilo? Não sabia. Mas abraçou-o como nunca pensou que faria, trazendo Kakashi para mais perto.

Suspirou quando suas costas encostaram-se no colchão e o peso de Kakashi colocava-se sobre si. As mãos dele, agéis, deslizavam por sua pele, descendo o zíper de sua blusa até o fim.

O sonho.

Sakura beijou-lhe o pescoço e apertou-lhe os cabelos, como se os instigasse a continuar. A mente do copy ninja tornou-se turva e suas mãos começaram a acariciar os seios da parceira.

Cansou de relutar em se afastar.

- Ei! Quem trancou a porcaria da porta?! Sakura! Você está aí?

Ino! Aquilo havia pego o casal totalmente desprevenido. A consciência retornou e, como se tivesse acabado de ser pego no flagra fazendo algo enquanto lia Icha Icha, Kakashi levantou-se com brusquidão, batendo violentamente a cabeça na beliche.

- Ah, carralho!!!

Virou o rosto para a parede, massageando a área atingida enquanto Sakura o empurrou, se levantando aos tropeções. A porta continuava sendo esmurrada por Ino e a voz de Shikamaru reclamando algo como "- Vai acabar incomodando o pessoal das outras cabines!", podia ser ouvida.

Fechou o zíper da blusa e tratou de abaixar a saia antes de abrir a porta.

- Caramba, Sakura! - exclamou a loira com ambas mãos na cintura. - Por quê trancou a porta? Não vai entrar nenhum tarado, não!

"Claro, o tarado já está aqui dentro..."


Shikamaru havia sido esperto o bastante para guardar esse pensamento para si próprio.

- D-desculpa. Acho que é a força do hábito.

- Hum...deixa a gente entrar?

Percebendo que ainda estava parada na entrada, Sakura se afastou e os amigos entraram.

- Hum? Kakashi-sensei já está dormindo?

- Nani?

Sakura se virou, notando que Kakashi estava deitado de frente para a parede, coberto por um lençol. Isso que era ninja esperto.

- Hãn...é...- Sakura sabia que deveria inventar uma desculpa. - Ele falou que estava cansado...

Ino observou a amiga. A conhecia o suficiente para saber que Sakura estava mentindo. E, sendo preceptora além de amiga do shinobi mais inteligente de Konoha, a loira aprendera a notar certas coisas.

Olhou rapidamente para o aposento, encontrando as provas de que alguma coisa estava acontecendo. Sakura indo abrir a porta descalça, a blusa amarrotada, o prato de sopa sobre a cômoda, apenas uma cama com lençóis amassado - justamente a que Kakashi dormia e o fato importante; se Kakashi estava dormindo, onde Sakura estava comendo, já que nenhuma outra cama estava com lençóis amassados?

- Sa..ku..ra!!! ^_^

A ninja de cabelos róseos tremeu quando Ino disse seu forma cantarolando, coisa que Ino sempre fazia quando tinha em mente alguma malícia.

Notando que Shikamaru já subia na beliche para dormir, Ino sussurrou próximo á Sakura:
- Quando chegarmos em Karnak vai ter que me contar tudinho.

- ..do..do que está fa-falando?

A loira apenas riu e tratou de se ajeitar em uma das camas.

- Não esqueça de apagar as luzes. - disse. - Sakura-chan.

~*~


" Eu não estou no meu juízo perfeito! Não mesmo!"


A noite já estava quase acabando e Kakashi não conseguia dormir. Estava perdendo controle sobre seus desejos e Sakura só piorava a situação.

" O que deu nela? Porque subitamente começou a fazer isso? Será que ela não percebe que é loucura? E será que eu sou tão fraco á ponto de não resistir á isso?
Kuso, Sakura! Eu vou acabar te machucando! Não sou a pessoa que pareço pra você. Sou um canalha da pior espécie. Se soubesse o que faço por te desejar ficaria é com nojo de mim."


Você paga prostitutas para se vestirem como sua aluna e satisfazer seus desejos.
Sim, fantasia com uma qualquer enquanto imagina estar tocando aquele corpo que agora sabia, era suave, delicado, perfeito...seria uma realização poder tocar todo aquele corpo, ouvi-la gemer e a fazer mulher...
Procurou acalmar o desejo incontrolável que emergia. Mordeu o lábio inferior, tomando o mínimo de cuidado para não deixar escapar qualquer ruído e, quando acabou, satisfeito, veio-lhe novamente o pensamento delator.

" Viu só, Sakura? Eu estou agindo como um adolescente por sua causa! Droga, como posso me deixar chegar á esse ponto? Desprezível, desprezível."


Preferiu continuar com o rosto virado para a parede pois, se virasse para o outro lado, corria o risco de ver a face da garota de cabelos róseos que dormia na beliche á frente.

Sakura, por sua vez, não conseguia dormir e na penumbra mal conseguia ver o contorno do corpo de seu sensei. O que estava acontecendo entre eles era loucura, ela sabia muito bem. Nunca daria certo e afastava qualquer pensamento relativo á isso pois já alimentava esperanças demais em sua vida e recentemente percebia que sempre acabavam em desilusão.

E com Kakashi não seria diferente. Poderia até ser pior. Afinal, conhecia muito bem a fama de Kakashi em Konoha e não foram poucas ás vezes que ouviu comentários das enfermeiras do hospital sobre seus "encontros" com o copy ninja.

Apesar de estar quase sempre com cara de sonso ou lendo livros de putaria, Kakashi sabia como deixar as mulheres em suas mãos.

" Mas eu não serei mais uma delas."


Não, Sakura não era uma mulher que poderia ser conquistada facilmente. Mesmo que ele beijasse divinamente, fosse carinhoso e...kuso! Por que não conseguia deixar de lembrar daqueles beijos e daquelas mãos no seu corpo?

A habilidade libertina de Kakashi aliada á ingenuidade amorosa de Sakura poderia gerar uma mistura catastrófica se não mantivesse os "pés no chão". Sakura repetiu para si mesma que não deveria se permitir sentir nada mais que fosse desejo. Afinal, nunca, nunca mesmo poderia construir alguma relação duradoura com Kakashi. Ele era libertino, mais velho, seu sensei, seu amigo e ambos eram muito conhecidos pelos outros ninjas.

Suspirou. Sim. Era só manter a consciência que, o que quer que acontecesse entre ela e Kakashi, não haveria paixão e amor. Seria uma aventura, uma aventura como aquelas que aconteciam naqueles livros que ele adorava ler.

"Mas...será que estou preparada para esse tipo de coisa?"


Acometida por essa dúvida, Sakura adormeceu quando já era de manhã.

~*~


Divinos Pecados - índice

3 comentários:

Kika disse...

Estou a imaginar:
Sakura pensa: "Eu estou beijando meu sensei! Só posso ter enlouquecido!" Sakura interior aparece com "Vitória" escrita na testa e punho cerrado em chamas: "Não posso deixar que ele se afaste!!!!"
ahaha

- Caramba, Sakura! - exclamou a loira com ambas mãos na cintura. - Por quê trancou a porta? Não vai entrar nenhum tarado, não!
"Claro, o tarado já está aqui dentro..." Muito bom, muito bom!

Tsu disse...

Nashahsahs sério eu não tinha pensado nessa idéia da Sakura interior...mas realmente combina =p

e o Shikamaru..ele é o mestre dos comentários...

Leka disse...

Concordo com a kika!
Adorei essa coisa das "vozes interiores"! quem nunca se pegou falando com a sua prórpia!kkk!
bjs, paz!
http://guerradosmundosleka.blogspot.com/

Confira Também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...