14 de mar de 2010

FanFics - Divinos Pecados - capitulo 08


Dizer


~*~
  -Ei, Kakashi-sensei! Venha ver isso, que legal!

O ninja de cabelos prateados desviou a atenção do antigo artefato exposto em uma caixa de vidro e se aproximou de Sakura, que estava diante de um gigantesco quadro.

Ele não pôde deixar de se surpreender diante daquilo, pois era uma das obras de arte mais belas que já havia visto. Além do estilo romântico da pintura repleto de mínimos detalhes, a sobreposição de cores e tons davam á pintura a sensação de que estava viva.

O quadro ilustrava uma floresta tão bela e fascinante que mais parecia o Éden. Folhagem espessa e verdejante, raios de sol escapavam por entre as árvores em graciosos raios que valorizavam o solo rico. Um pouco mais ao longe se era possível vero que provavelmente seria uma pequena cachoeira que despejava água límpida que continuava por um gracioso rio que desaparecia no restante da floresta. O céu não era visível pois provavelmente o artista havia se dedicado a captar os mínimos detalhes da flora. Ora pois, a orquídea lilás que estava no tronco de um carvalho próximo era de rara beleza.

- Não é lindo? - comentou a jovem com um sorriso sereno sem tirar os olhos da imagem. - Parece que não importa quanto tempo fiquemos olhando, sempre encontramos algo que não tínhamos visto antes. Confesso que adoraria estar nesse paraíso. Quase posso sentir a atmosfera do lugar.

Isso era verdade, constatou Kakashi. Então notou algo naquela imagem que não havia percebido antes. Próximo á cachoeira, embaixo de uma árvore cuja folhagem parecia uma cortina, havia uma silhueta feminina. Em trajes alvos lisos, era esguia e elegante. Os cabelos platinados caíam ondulados pelas costas e o rosto delicado, embora não fosse possível ver com precisão, era belo.

Ela parecia segurar um delicado jarro nas mãos e seus olhos pareciam fitar algo muito além daquela cachoeira. Por alguma razão havia algo na figura daquela mulher que atraía a atenção do copy ninja, uma espécie de magnetismo que o impedia de afastar os olhos.

- A Floresta Proibida.

- ...o quê?- Kakashi tirou a atenção do quadro.

- É o que está escrito aqui. - Sakura apontou para a placa de bronze abaixo do quadro e continuou a ler. - A existência deste lugar embora seja comprovada, sua exata localização ainda é desconhecida. Presente nas antigas religiões, muitas lendas e mistérios ligados ao miticismo permanecem sem resposta. Dizem que na Floresta Proibida reina a Santa Deusa, uma entidade venerada e respeitada por todos os povos desde tempos imemoriais.

Kakashi piscou. Então a existência de tudo aquilo não era tão secreta e desconhecida quanto ele e Tsunade pensavam. Pelo menos não em Karnak. Ali, ao que parecia, as informações sobre a Floresta e o que havia dentro dela eram extremamente fáceis de se conseguir. Talvez isso se devesse ao fato de que Karnak mantinha os antigos ritos e tradições religiosas á despeito do turismo.

- Se bem me lembro. - recomeçou Sakura. - Meus pais tinham um antigo livro...e nele diziam que se falava da lenda da Floresta e da Senhora que vivia nela.

Kakashi ouviu atentamente.

- Eu era muito pequena mas lembro que minha mãe costumava me contar essa história porque eu adorava ver as gravuras. Eram desenhos em preto e branco simples mas que atraiam minha atenção. Quando cresci, procurei esse livro para lê-lo eu mesma mas ele não continha palavras, apenas símbolos estranhos. Eu não procurei tentar decifrá-los pois não conseguiria e então me contentei em ver as gravuras uma vez mais.

Ela sorriu, dizendo mais para si mesmo do que para seu ouvinte.
- E os desenhos me fascinaram da mesma forma que me fascinaram quando eu era criança.

" Você é tão delicada, Sakura. Não posso permitir que o poder dentro de você a destrua."


Sem que percebesse, os dedos de Kakashi pegaram delicadamente uma mecha de cabelos róseos e deslizaram por aquele rosto de porcelana. Sakura o fitou. O que estava sentindo por Kakashi afinal de contas? Por mais que fizesse essa pergunta, não obtinha outra resposta além daquela que lhe era a mais absurda.

"Eu estou me apaixonando por ele."


Inclinou a cabeça de forma convidativa e entreabiu os lábios. Kakashi moveu a mão livre em direção á máscara, notando que Sakura, por um segundo, prendera a respiração de ansiedade. Tinha de admitir que estava tão ansioso para ver a reação da garota quando mostrasse seu rosto quanto ela estava por vê-lo sem a máscara.

- Com licença, senhor!

O encanto foi quebrado. Kakashi se viu diante de um grupo de turistas sorridentes armados com camisas estampadas.

- O senhor é um ninja, não é?

- ...hãn...sou.

Os olhos dos turistas brilharam como crianças diante do presente de natal. Rodearam o shinobi, praticamente empurrando Sakura para o lado.

- Podemos tirar uma foto do senhor? - perdiu um homem gordo de sandálias.

- Posso tirar uma foto ao seu lado? - perguntou uma mulher metida em um conjunto cáqui. - É a primeira vez que vejo um ninja tão de perto!

- Mostra alguma técnica pra gente! - pediram duas crianças.

Não demorou para que Kakashi acabasse cedendo aos pedidos dos turistas. Tirou várias fotos com eles ( aquela onde o turista está todo alegre e o alvo constrangido), mostrou alguns jutsus simples para as crianças, recebeu beijinhos das turistas mais assanhadas, foi fotografado por vários ângulos, emprestou sua bandana para que o turista gordo tivesse seu "momento ninja" e até distribuiu autógrafos.

Só quando o guia turístico apareceu para levar o grupo á próxima ala do museu é que Kakashi foi capaz de se acalmar.

Estando novamente á sós, Kakashi encarou Sakura com a maior cara de bobo que poderia fazer. Ela caiu na gargalhada.

- Ai, Kakashi-sensei! Essa foi a piada do ano! - por mais que tentasse ela não conseguia parar de rir. - Foi hilário, você tinha de ver a sua cara!

- ...você adora se divertir com o constrangimento alheio. - ele suspirou, fazendo cara de coitado. - Eu não tenho culpa se me tornei objeto turístico!

- Claro que tem! Quem manda você ficar andando por aí com essa máscara? Até os camelos sabem que você é um ninja!

- E o que a senhorita sugere que eu faça?

- Tira a máscara,ora bolas!
Ele a olhou com a expressão "até parece!". Esquecendo que quase havia acontecido, Sakura emburrou, dizendo despeitada.

- Estamos em Karnak numa missão secreta que eu nem sei qual é, de modo que devemos chamar o mínimo de atenção possível. Coisa que você não está fazendo e...

A kuinochi percebeu que Kakashi já havia lhe dado as costas caminhando em direção á saída.
- Kakashi! Posso saber aonde o senhor está indo?

- Já procuramos o Gaara em toda parte, vamos voltar para o ponto de encontro.
Á contragosto, Sakura obedeceu. Kuso! Mais uma vez não conseguira nada de Kakashi, ele estava fugindo por quê? Ino iria acabar com ela, chamá-la de lerda e sem iniciativa.

- Você está me evitando?

Ele parou, virando-se para ela.
- ...do que está falando, Sakura-chan?

O jeito como ele dizia era um artífice para lhe tirar a coragem de entrar no assunto que ela realmente queria.

" Coragem, Sakura! O máximo que você pode ganhar é um não!"

Se aproximou com passos decididos e com rapidez enroscou seus braços no pescoço do jounin. Antes que pudesse puxá-lo para um beijo, Kakashi segurou seus ombros, dizendo em um tom de voz com o qual ela não estava acostumada a ouvir.

- Não me faça perder o pouco controle que me resta, Sakura!

O olho negro dele parecia queimar seu rosto. Com cuidado,Kakashi retirou os braços da jovem em torno de seu pescoço e segurou-lhe as mãos por segundos que lhe pareceram horas.

- Não fique brincando comigo.

Só isso. Apenas essa frase foi o suficiente para que Sakura pudesse compreender o que estava acontecendo entre eles.

Sentiu a mão dele acariciar sua cabeça e procurou acompanhá-lo volta para o hall, em silêncio.

~*~

Ino havia perdido a noção do tempo enquanto ficava sentada naquele banco ao lado do kazekage. Embora ele não fosse muito de falar, a loira ás vezes sentia-se como se estivesse a fazer um monólogo, percebendo, porém que ele parecia interessado quando ela falava sobre as antigas lendas de Karnak.

Ino percebeu que, definitivamente, Gaara estava muito diferente desde a primeira vez que o vira. No início, aqueles olhos verdes transmitiam perigo e crueldade. Agora, depois de alguns anos e lutas ao lado de Konoha, aqueles olhos verdes transmitiam tristeza e incompreensão.

Havia uma coisa que Ino desejava perguntar á ele e que se referia ao ideograma "Amor" tatuado em sua testa. Por que alguém como ele, que era tão perigoso tatuaria justamente essa palavra? Seria a tatuagem uma forma de ironia?

Mas ela não perguntaria. Provavelmente era algo pessoal de Gaara e ela não possuía qualquer intimidade com o kazekage para esse tipo de coisa. Foi então que sua barriga emitiu um forte ronco, fazendo com que Gaara a olhasse com o canto dos olhos.

" Credo, Ino! Que vexame, sua baka!O que ele vai pensar? Que eu sou uma morta de fome!"

Gaara se levantou, a dizer sem qualquer emoção: - Tem uma lanchonete ali. Vamos.

Aquilo fora uma ordem, Ino tinha certeza. Achou melhor não contestar só por educação. E por que não havia comido nada desde o parco café da manhã no navio.

A lanchonete do museu era agradável, situada em uma ala própria onde havia mesas ao ar livre com toldos para proteger do sol. De cada lado se era possível ver ou a fachada principal do museu ou o jardim do mesmo.

Pararam diante do balcão e olharam o extenso cardápio fixado na parede.

Com a fome que estava, Ino queria comer aquele combo especial com suco, x-burguer e porção de fritas, mas além de não poder devido á sua dieta, se pedisse Gaara provavelmente a acharia uma esfomeada.

- O que você vai pedir?

- Hãn..bom, o que o senhor quiser está bom para mim.

Gaara pareceu um pouco consternado, mas foi Ino que se surpreendeu quando ele fez o pedido por dois combos especiais.

Sentaram-se em uma das mesas e, mesmo que estivesse faminta e o lanche parecesse apetitoso, tentaria comer o mais elegantemente possível. Afinal, para todos os feitos, estava diante do kazekage de Suna e deveria mostrar que sabia como se portar á mesa.

Foi então que ela assistiu Gaara abrir seu lanche e retirar todo o tempero, cebola e queijo que havia no lanche. E fazia isso não com a mão e sim com uma batatinha. Curioso, concluiu, mas trincou quando os olhos dele a fitaram de forma gélida.

- Não vai comer?

- Há, cla-claro! Itadakimasu!

Enquanto os dois lanchavam em silêncio, na entrada do museu surgiu Shikamaru e Temari, olhando tudo ao redor.

- Caramba! Onde a Ino se meteu? - resmungou o jounin. - Que droga. Falar para ela "fique aqui" é a mesma coisa que dizer "vai dar uma volta por aí". - suspirou, resmungando baixinho. - Por que eu só fico rodeado de mulher problemática?

Notou que Temari fitava, imóvel, algo na lanchonete. Seguiu seu olhar e não pôde evitar de também ficar surpreso. Numa das mesas Ino e Gaara saboreavam um lanche e conversavam como se fossem...namorados.

A expressão no rosto de Temari se tornou serena e entristecida enquanto observava o irmão caçula.
Sabaku no Gaara era o kazekage, desenvolvido para ser a maior arma de Suna e em cuja alma já havia residido o demônio shukaku. E isso fazia com que todos - até mesmo ela - esquecessem que ele era extremamente jovem e que possuía muito mais do que parecia.

- ...ela é uma boa pessoa? - se viu perguntando.

- Hum? - Shikamaru coçou a nuca. - A Ino tem algumas qualidades embora não goste de mostrá-las.
Quando Ino finalmente acreditou que Gaara pudesse entoar uma conversa, aquela machona da irmã dele viera para atrapalhar tudo. Ela havia se aproximado da mesa, sendo seguida por Shikamaru.

- Finalmente o encontramos Gaara. - suspirou Temari.

- Oe, Ino! Abandonou seu posto para comer? - provocou Shikamaru. - Assim vai acabar fazendo jus ao apelido de "porquinha".

- Cale a boca! - ela encarou a outra loira. - Peguem uma cadeira e sentem conosco! " Afinal já acabaram com meu encontro mesmo..."

- Você não ficou enchendo o saco do kazekage com sua matraca, ficou?

Em resposta, Shikamaru recebeu um forte chute na canela que o fez ver estrelinhas em forma de Temari.

Não demorou para que os quatro dividissem a mesa para esperar Kakashi e Sakura e Shikamaru se contentou em beber uma garrafa de cerveja.

- Heh, pelo visto o bebê chorão está virando homem!

Mas que ousadia era essa? Mesmo depois daquele beijo essa problemática continua querendo afrontá-lo? Shikamaru estreitou os olhos, concluindo que precisava pegá-la com mais firmeza.

Ela ria. Ria daquele jeito que o deixava...bom, isso não vinha ao caso. Tratou de, por hora, devolver na mesma moeda.

- Heh. Como pode ver, agora posso resgatar kuinochis indefesas.

Ino estreitou os olhos. Aqueles dois estavam de picuinha. Temari pegou a garrafa de cerveja, encheu um copo e sorveu tudo em um único gole. Bateu o copo na mesa e disse, com um sorriso sarcástico.

- Ainda bem que eu não sou indefesa.

" Ah, cara. Será que ela não consegue agir como uma mulher comum nenhuma vez?"


Ino molhou duas batatas na mostarda, emburrada. Esses dois haviam se intrometido em seu papo com o kazekage não para conversar mas para trocar tensão sexual disfarçado de provocação. Patético.

Percebeu que mãos ágeis estavam pegando suas batatas e sentiu o sangue ferver.
- Shikamaru! Pára de comer minhas batatinhas! Compre uma porção para você!

- Deixa de ser fominha. Eu até estou fazendo um favor. Isso aqui é fritura e pode aumentar seus pneuzinhos que você tanto tenta esconder!

- Eu não tenho pneuzinhos! - gritou ela ficando igual á um tomate maduro.

Temari os observou, séria. Sabia que Shikamaru adorava encher a paciência daquela patricinha que colocava a aparência em primeiro lugar. E se Shikamaru pensava que poderia deixá-la com ciúme, estava totalmente enganado.

" Como se eu sentisse ciúmes de você..."


A única coisa que ela sentia no momento era vontade de poder beijar aquela boca mais uma vez.

~*~

Após todos os ninjas se reunirem e deixarem os cumprimentos e demais conversas banais de lado, bem como esperar que Kakashi e Sakura comesse algo na lanchonete, todos se encaminharam para um dos muitos hotéis da cidade.

Tendo Temari como guia, eles não tiveram muitas dificuldades em caminhar pela cidade e logo encontraram o hotel. As reservas já haviam sido feitas e os shinobis de Konoha se surpreenderam com o requinte do hotel.

- ...sem dúvida esse deve ser um dos melhores hotéis de Karnak. - murmurou Sakura.

- UAU! Eu estou me sentindo uma estrela de cinema! -os olhos de Ino brilharam.

- Oê! - Shikamaru se aproximou de Temari com um cigarro nos lábios. - É bom que eu, Kakashi, você e o Gaara reservemos uma sala para discutir o plano.

- Eu já cuidei disso. - eles tomaram cuidado para que Sakura não percebesse a conversa. - Se instalem nos quartos depois venham até a recepção.

- Certo.
~*~

Após colocarem suas bagagens na suíte do hotel, Sakura e Ino decidiram tomar um banho relaxante á fim de se livrar de todo o cansaço da viajem. Assim, encheram a banheira, colocaram bastante espuma e entraram, sentindo-se aliviadas.

- Ah, que gostoso! - Sakura sorriu com os olhos fechados. - Nada do que um bom banho para recuperar as energias!

- Muito bem, Sakura. Me conte tudinho. Deu uns bons amassos no Kakashi-sensei?

- Ino! - ela corou. - Bom...não, né.

- Quê? Mas você ficou sozinha com ele!

Então Sakura contou á amiga o que havia acontecido desde o toque de Kakashi, a intromissão dos turistas e as palavras ditas depois.

- Bom, o que posso dizer é que o Kakashi está á fim de você! Mas ele deve tá fazendo doce, com esse lance de quer e de repente não quer...estranho.

- É compreensível. Existe muitas barreiras, somos aluna e professor, essas coisas...e acho queele também sabe que é errado perdemos a amizade apenas por um desejo momentâneo.

- Tem certeza que é só desejo o que você está sentindo?

Os olhos verdes da kuinochi encararam a amiga.
- Não sabemos quanto ao Kakashi mas e você?

- ...e-eu...eu não sei...

Ino sorriu entristecida. A expressão de Sakura estava igual á quando Sasuke lhe dizia algo que a magoava. Talvez tivesse errado em incentivar Sakura a tentar investir no sensei. Afinal, Sakura era romântica e Kakashi um libertino. Isso praticamente já os tornavam extremos opostos.

- Yo, Ino. Soube que você ficou de papo com o kazekage sozinha e ele até te pagou um lanche!

Dessa vez foi a vez da loira corar.

- Bom..quem te contou?

- O Shikamaru. Mas não fuja do assunto! - a kunoichi sorriu com crueldade. - O que você conversou tanto com o Gaara á ponto de ele ser gentil?

- Nada! Além do mais ele quase não fala! Ele só queria saber um pouco das lendas de Karnak, só isso!

-Sei... - provocou. - E por quê você está vermelha?

- Irc! Ora, pare com isso!

Sakura não pôde deixar de se divertir com o embasbacamento da amiga. Ela sempre ficava assim quando gostava de um cara que fugia do "padrão" que ela costumava estabelecer. Estava do mesmo jeito em que havia ficado quando começara a sair com Shino meses atrás.

- O Gaara é um pouco estranho.

- É eu sei. Mas essa estranheza dele e a cara fechada até que lhe dão certo charme.

Ino se calou, recordando do momento que seu corpo encostara no dele.

- Naruto me contou que a infância do Gaara foi muito sofrida e depois a Akatsuki o atacou brutalmente para arrancar o shukaku.

Ficaram em silêncio por um tempo até que Ino sorriu, parecendo um pouco mais interessada do que o normal.
- Seria interessante fazer com que o Gaara expressasse algum tipo de reação inusitada.

" Se eu dançasse daquela forma, que cara ele faria?"


- Ino, o que você está pensando? Tenha cuidado, o Gaara é imprevisível!

A loira encarou a outra parecendo consternada. E então Sakura tomou consciência deque aquilo havia sido um pensamento da amiga e não uma fala. Então como...!

Sentiu um jato de água lhe atingir o rosto, percebendo que era Ino a lhe sorrir feito criança travessa.
- O que é isso, Ero-Sakura? Está achando que vou fazer alguma taradice para o kazekage?

- Quem sabe? Afinal sua mente é bem perva, Ero-Ino!

As duas kuinochis ficaram jogando água uma na outra, rindo e exclamando besteiras.

~*~

Aquela pequena mas confortável sala era utilizada pelos hóspedes do hotel para que pudessem conversar com discrição e livre de interrupções. Havia apenas uma mesa quadrada baixa, algumas grandes almofadas para sentar e alguns quadros retratando antigas divindades ajudavam a decorar o recinto. Sentados em torno da mesa estavam Shikamaru, Temari, Kakashi e Gaara.

- Bom, já que estamos todos reunidos, devemos expor a situação e elaborar um plano isento de falhas.
Todos acataram ao pedido do copy ninja com um aceno da cabeça.

- Vamos começar na questão de como...

- Porque você não contou á Sakura que Ela é a missão? - pergunta veio de Shikamaru.

- Porque os pais dela me pediram. E como vou explicar para ela uma coisa que eu nem mesmo compreendo direito? Só a deixaria mais preocupada.

- Sakura é uma bomba-relógio quer a gente admita ou não. - contrapôs Shikamaru. - Tsunade me disse o que os jounins fizeram anos atrás e agora o selo está enfraquecendo. Se a Sakura tivesse consciência, penso que ela própria poderia jajudar caso sentisse que houvesse algo errado consigo mesma. Isso nos ajudaria a elaborar uma medida preventiva.

- Não existe nenhuma medida preventiva para isso. - cortou Temari. - Se o poder de Astarte se libertar, teremos de contê-lo temporariamente até chegar á Floresta Proibida.

- Contê-la? - o jovem Nara arqueou uma sobrancelha. - Me disseram que se "isso" se libertar, será o caos. No passado o terceiro hokage usou todo seu poder, como nós poderemos...

- Nós temos o Gaara. - a voz da loira era gélida. - E o famoso sharingan Kakashi não é pouca coisa. Você é um gênio e eu conheço algumas artes mágicas.

- Artes mágicas? Como assim?

- Quando mais jovem eu...vivi alguns anos na Floresta Proibida e cheguei a me tornar Iniciada Sacerdotisa á servir diretamente á Santa Deusa.

A expressão no rosto dos jounins era puro espanto. Então a Santa Deusa REALMENTE existia?

- Oh... - começou Kakashi. - Confesso que...não consigo imaginá-la como uma sacerdotisa.

- Por quê?

Uma gota de suor escorreu pela testa do jounin. A verdade é que não conseguia imaginar uma mulher agressiva, de personalidade forte e masculinizada feito Temari agindo de forma delicada, singela e passiva como uma sacerdotisa.

Temari compreendeu o tipo de pensamento que ele nutria e ficou ainda mais furiosa.

" Homens. São todos iguais!"


Percebendo que havia uma estranha tensão pairando no ambiente, Gaara decidiu retomar o assunto geral.
- Teremos de partir daqui á dois dias. Consegui arranjar transporte e as provisões necessárias. Porém, irei garantir que a travessia pelo deserto seja feita de forma breve.

- Dois dias? Pensei que partiríamos amanhã. - comentou Kakashi.

- Você não percebeu a movimentação em Karnak hoje? - Temari ainda estava emburrada. - Está mais caótico do que o normal e a quantidade de turistas triplicou. Isso acontece porque durante os três primeiros dias - começando por hoje - Karnak realiza cerimônias religiosas e festivas para venerar o poder das sagradas deusas gêmeas; Astaroch e Astarte. Cada dia é direcionado á uma delas, sendo que o segundo é representado pela união das duas com a Grande Mãe.

Temari percebeu que, embora a encarassem, nenhum deles realmente prestava atenção em suas explicações de modo que decidiu não continuar.

Realmente, quando se colocava o fato de ser o poder do sagrado feminino e não masculino a conduzir toda uma religião, os homens nunca levavam á sério.

Porém, ao contrário do que a kunoichi pensava, Kakashi estava realmente interessado em tal história, pois Konoha e os relatórios da Anbu careciam visivelmente desse tipo de informação mítica por considerá-la inútil para fins militares. Tudo bem que isso não era útil para shinobis, afinal Madara Uchiha dizia que a crença religiosa limitava e distorcia os ideais e deveres de um verdadeiro shinobi.

E Kakashi concordava com isso. Mas admitia que estudar esse conhecimento era deveras interessante.
Já para Shikamaru, o que era deveras interessante seria ver Temari vestida e portando-se como uma sacerdotisa sagrada.

- Como kazekage devo comparecer á segunda cerimônia. - a voz de Gaara ecoou no recinto. - Isso se faz necessário para certos assuntos de meu país e para que eu me torne apto a abrir o portal para a Floresta Proibida, sendo reconhecido pela Santa Deusa. Certo, Temari?

- ...h-hai.

- Desculpe perguntar. - falou Kakashi. - Mas sei que há uma ligação direta destas cerimônias com nossa missão e gostaria de saber em que consiste a presença do kazekage nos rituais.

- Os rituais são secretos. - respondeu Gaara, seco.

- Certo...então partimos depois de amanhã bem cedo. - Kakashi forçou um sorriso. - Ino e Sakura vão gostar de saber que poderão passear um pouco por Karnak.

- Não deixe Sakura adentrar nos templos sagrados.

O copy ninja olhou consternado para Gaara: - Por quê?

- Hoje quando Gaara viu Sakura. - Temari continuou. - Ele sentiu que a mente dela está instável. A outra alma já se encontra desperta e só não se manifestou por causa do selo.

- ...como sou...
Shikamaru não terminou a frase. Era evidente a razão de Gaara perceber esse tipo de coisa. Afinal, foram anos e anos que ele viveu tendo plena consciência de possuir um monstro dentro de si.

Já Kakashi repreendia-se mentalmente. Astarte já estava desperta, mas afinal o que era Astarte? E por quê ele, que fora incubido de proteger Sakura não havia percebido isso?

Você percebe o tempo todo, mas simplesmente se recusa em admitir a verdade. Tenta ignorar, pois teme que precise cumprir o dever de matá-la se Sakura for dominada por esse poder.

~*~

A reunião havia sido mais longa do que ele esperava. Pelo menos tudo parecia ter sido decidido e agora só restava esperar. Mesmo que não confiasse muito no plano de defesa elaborado, não tinha como contestá-lo.

O que mais o incomodava na missão era que não dispunha de informações completas sobre o que realmente estava acontecendo com Sakura. Era uma mistura de alegorias, lendas e mistérios. Gaara e Temari pareciam saber mais sobre isso do que diziam e como Kakashi ocasionalmente ficava no "mundo da lua", cabia á ele obter mais alguma informação. Mas a verdade era que não estava diante daquela porta para discutir assuntos profissionais.

O certo seria desistir daquilo e ir dormir. Afinal, quando ap orta fosse aberta teria de explicar o por quê estava ali, encontrar um assunto para entoar uma conversa, obter informações sem que parecesse estar apenas interessado nisso, encontrar uma brecha para entrar, articular sabiamente as palavras para que tudo terminasse na cama e as coisas ficassem melhores no dia seguinte.

Sim, era algo muito problemático. Mas não custava nada tentar.

" Eu deixando a preguiça de lado? Só posso estar perdendo o juízo."


Bateu três vezes na porta com as costas da mão e esperou. Nada. Bateu mais três vezes Bateu mais três vezes e ela abriu-se com violência. Castanhos sobre verdes.

Shikamaru piscou. Era a primeira vez que a via com os cabelos soltos e pijama curto de seda. Temari se endireitou, sabendo que suas bochechas começavam a arder.
- O que você quer?

- Foi mal, não queria te incomodar. É que tenho algumas dúvidas sobre certas coisas...discutidas na reunião.

" Foi só por isso que veio me procurar?"


- Acho que está um pouco tarde para isso agora, não?

- É, acho que sim.

Silêncio constrangedor. Shikamaru coçou a nuca. Por que quando se tratava Dela as coisas eram sempre tão problemáticas?

- Bom, então é melhor deixar pra amanhã. Boa noite.

Ela assentiu e Shikamaru já havia lhe dado as costas quando Temari tomou coragem para dizer.

- Eu até gostaria de convidá-lo para entrar no quarto, mas infelizmente não sou esse tipo de mulher.

Shikamaru parou, virando-se surpreso. Ela o fitava com o canto dos olhos e isso fez o jounin sorrir com sinceridade.

- Eu prefiro você assim.
Temari sorriu.

- Amanhã á noite haverá uma festa tradicional no salão do hotel. Gaara precisará estar presente e eu também. Acho que seus amigos gostariam de ir.

Ele arqueou uma sobrancelha, zombeteiro.
- Acho que eu é quem deveria convidá-la.

- Estamos na era da igualdade dos sexos.

- Okey...devo vir buscá-la ás sete?

- Se quiser...

- Eu sou pontual.

- Ótimo. Boa noite, problemático.

- Boa noite...Temari.

~*~

A noite já seguia alta e a mudança de temperatura era evidente. O calor escaldante cedera lugar á um frio incômodo, obrigando Sakura a vestir seu orbe. Ino dormia profundamente embaixo das cobertas. Provavelmente estava recuperando o sono perdido.

Mas isso não acontecia com a kunoichi de cabelos róseos. Não tinha sono e mesmo que estivesse, não conseguiria dormir com toda aquela barulheira. Karnak era uma cidade que jamais parava e bastava olhar pela janela para ver os neons. Sakura saiu até a pequena sacada do aposento e sentou-se no chão, se encolhendo devido ao frio.

" O que há de errado comigo?"


Não estava sendo apenas os sonhos. Sentia algo que não conseguia - ou não deveria - compreender. E isso acontecia porque, certamente, não eraa algo bom. E como se não bastasse, tinha a certeza de que os outros e principalmente Kakashi sabiam de algo.

" Por que estão escondendo de mim?"
" Você sabe a resposta."

" Não. Se eu soubesse talvez...não conseguiria suportar."


" E eu me libertaria."

" Não! Não importa quem ou o quê você seja, não vou permitir que domine minha alma e atraia desgraças para aqueles que estão á minha volta! Não fraquejarei jamais!"

" Estarei preparada quando esta convicção acabar."

Sakura fechou os olhos com força.

O que era essa maldita voz que confrontava consigo mesma como se fosse uma consciência indesejada?

" Chegará o momento em que não conseguirá mais prender-me assim."
- ...desapareça!

Sakura abriu os olhos e foi como se aquela voz e o mal pressentimento jamais tivesse surgido.
" Talvez tenha sido um sonho."

Suspirou. Sonho.

"Não quero dormir."


Sim, não queres dormir pois teme que Ela venha e lhe mostre o ódio. Mas tu sabes muito bem que não poderá evitá-la para sempre. O tempo está correndo.

- Quero que isso acabe.
Por mais que deseje isso não acabará. Em vez de odiá-la, compreenda-a.

Aquela voz...Sakura sabia que não era sua nem de ninguém ali mesmo que pudesse ouvi-la em sua cabeça. Mas a conhecia de algum lugar. Tão suave e melodiosa que quase parecia um feitiço. E lhe provocou uma sensação de conforto e tranquilidade.

Acreditando naquelas palavras, Sakura adormeceu.

~*~


Divinos Pecados - índice

2 comentários:

Kika disse...

Lindooo *.* Adorei :)
Vais continuar?

Tsu disse...

oi Kika!! Antes de tudo..prazer em conhece-la!
por favor, deixe alguma forma de contato!
claaaro que continuarei a fanfic! pretendo terminá-la rs. Mas como vivo na correria atualziar demora um pouxco mais...não irei pará-la fique sossegada!

Confira Também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...