7 de mai de 2011

FanFics Naruto - Caos no Velório - parte 6

~*~

No escritório, Itachi e Sasuke haviam conseguido mobilizar Maito Gai da melhor forma que conseguiram. Enquanto o amordaçavam com a gravata de Sasuke, seus braços e pernas haviam sido fortemente amarrados com as cordas da cortina. Porém, Gai era forte e os dois irmão tinham dificuldade para mantê-lo imóvel.

- O que vamos fazer, nii-san?

- Não sei! Ainda estou pensando!

Subitamente, a porta do escritório é aberta e uma voz conhecida se fez ouvir.

- Sasukeeee! Me disseram que você estava aqui e eu...o que está havendo?

- Naruto! Entra e fecha a porta, porra!

- Mas o quê...

- Cala a boca e fecha a porta!

Consternado, Naruto obedeceu. E, com sua típica expressão de dúvida, estudou a cena. Gai amarrado e amordaçado no chão com Sasuke e Itachi segurando-o fortemente com expressão maníaca nos rostos.

- Isso é muito estranho, dattebayo.

Itachi e Sasuke trocaram olhares.

- É..é que...o Gai...

- Ele estava tendo um ataque epiléptico. - falou Itachi mecanicamente. - E tivemos de segurá-lo para que ele não se auto-mutilasse.

Ao ouvir a mentira, Gai debateu-se desesperadamente, urrando  e gemendo, implorando por ajuda.

- Ele está muito alterado, temos de acalmá-lo.

- Oh! - Naruto mexeu no bolso da calça confiante.- Eu tenho a solução, dattebayo! Achei esse pote de calamante NARUM lá no jardim!

- Ótimo! Dê alguns para ele! Vamos dopá-lo, digo, acalmá-lo.

- Quantos devo dar? - indagou o loiro.

- ...cinco está bom.

Rapidamente os dois irmãos colocaram os comprimidos na boca de Gai. E com um golpe na garganta, Itachi fez com que Gai os engolisse facilmente. Mal haviam feito isso a porta foi aberta por Kiba.

- Gente tá rolando um rebuceteio lá fora e...o que está havendo aqui?!

- NARUTO! - vociferou Sasuke. - Eu mandei você trancar a porta!

- Você só falou pra fechar, dattebayo.

Enquanto o moreno o fuzilava com os olhos, Itachi tratou de repetir sua explicação previamente ensaiada.

- Gai estava tendo um ataque epiléptico e tivemos de amarrá-lo para que ele não se auto-mutilasse.

- Hãn...mas por que o amordaçaram?

- ...para que não mordesse a própria língua.

- Mas precisava mesmo fazer isso?

- Isto não é um interrogatório! - rosnou Itachi e o outro prontamente se calou. - Agora precisamos decidir o que fazer.

- Hum... - Kiba recomeçou. - Acaso vocês já deram algum calmante para ele?

- Sim! - Naruto sorriu. - Demos comprimidos NARUM, que é eficaz e seguro!

- Desde quando você anda com remédios que não sejam laxantes?

- Eu não ando com laxantes, foi só aquela vez! E eu achei esse pote de NARUM no jardim agora á pouco.

Silêncio. Kiba percebeu do que se tratava.

- E...quantos comprimidos vocês deram á ele?

- Uns cinco, talvez. - respondeu Itachi com naturalidade.

Oh merda.
~*~

No corredor, Temari encarava Shikamaru em um misto de surpresa, felicidade e indignação.

- O que está dizendo?

- Você ouviu, Temari. Quero me casar com você. Eu sei que não estou em meu juízo perfeito porque você me tira do juízo perfeito mas agora eu percebi que não consigo ficar sem você.

- ...enlouqueceu? Está me pedindo em casamento no corredor da casa alheia enquanto meu irmão está trancado no banheiro sofrendo alucinações?!

- E daí? Quer ou não quer?

- Shikamaru, não é hora para isso! Nós ainda não resolvemos nossas diferenças, você não aceita minha forma de cuidar dos meus irmãos e...

- Eu aceito até que você os leve para morar conosco, mas caramba! Você me ama, eu te amo, vamos casar! É isso o que todos estão esperando á anos!

- E-eu...

- Ah, problemática! Vou te fazer aceitar agora!

Deixando  preguiça de lado, Shikamaru imprensou Temari na parede, beijando-lhe apaixonadamente. A loira tentou relutar, mas logo desistiu e retribuiu com a mesma intensidade.

Estavam os dois lá nos maiores beijos e amassos quando, ao notar um vulto na janela do corredor, Temari assustou-se com o que viu, empurrando Shikamaru bruscamente para trás.

- Oh, não! GAARA!

Desesperadamemnte, Temari ergueu o vidro da janela e colocou a cabeça para fora.

- Gaara! O que pensa que está fazendo? Volte já para dentro!

- ...não!

- Me obedeça, Gaara! Saia daí, vamos!

- ...você não manda em mim!

Temari sentiu que estava perdendo as estribeiras. Aquele comportamento anormal de Gaara por causa dos alucinógenos estava fazendo com que ele se comportasse de um modo que jamais faria se estivesse são. E ela não sabia o que mais a preocupava: Gaara  agindo daquela forma incontrolável ou o vexame que ele estava dando diante de toda a sociedade shinobi.

Sem dúvida a segunda opção era pior.

- Gaara por favor, me escuta. Você não está legal...

- Eu tõ muito bem! - falou ele com voz embargada e mãos na cintura.

- Como pode estar bem se você está nu encima de um telhado durante um funeral?! Você é o kazekage e não pode portar-se dessa maneira.

- Eu não quero mais ser o kazekage! - berrou ele. -  Eu não aguento mais toda essa pressão! Todos me dizendo o que ser e o que fazer! Não posso fazer nada do que quero, só tenho de seguir ordens, regras e tradições!

Temari não sabia o que dizer ou fazer. Gaara certamente estava no ápice dos efeitos do alucinógeno e agora desatava a revelar tudo o que o incomodava por dentro.

Um comprimido de alucinógeno estava fazendo o que nem mesmo o melhor psiquiatra de Suna conseguira.

- Gaara, venha pra cá! Vamos conversar com calma aqui dentro!

- NÃO! Se eu fizer isso vocês vão me obrigar a não dizer nada e o papai vai tentar me matar de novo! É sempre assim! Chegou a hora de acabar com isso! EU VOU PULAR!

- NÃO! - berrou Temari. - Gaara, volte!

- Não voltarei! Não voltarei para essa vida de repressão, responsabilidades, abusos familiares, incompreensão, bullyng, traumas, possessões e tudo o mais!

A situação estava crítica. As pessoas embaixo assistiam tudo.

- ...gente, precisamos fazer alguma coisa! - exclamou Shizune. - Ele está prestes a cometer uma loucura!

- Pula! Pula! - incentivou Chouji comendo um saco de batatinhas até receber um violento safanão de Asuma.

- Para de ficar incentivando a desgraça alheia!

- Ei, você não manda em mim não!

- Eu te treinei, deveria me respeitar!

- Treinou? Você era o que mais faltava nos treinamentos para ficar com "essa daí"! - falou Chouji gesticulando na direção de Kurenai.

Enquanto isso, Neji e Hinata assistiam pasmos.

- Mas que absurdo. - comentou Neji cruzando os braços. -  Passar uma humilhação dessas...os Sabaku realmente não possuem qualquer senso de discrição, diferente do clã Hyuuga. Onde já se viu o kazekage ficar ASSIM! É um vexame sem precedentes.

- V-verdade... - murmurou Hinata. - O que o Gaara está fazendo consegue ser mais constrangedor do que a vez em que o Neji nii-san se embebedou e fez um strip tease para as mulheres e garotos femininos nas fontes termais...

- CALA A BOCA, HINATA!

Ao mesmo tempo, Kankurou observava o decorrer da explosão do trauma contido de Gaara em um misto de desespero e apreensão.

- ...como as coisas puderam chegar á esse ponto?

- Kankurou-san! - Rock Lee se manifestou pela primeira vez na história. - O Gaara está prestes á se matar, faça alguma coisa! Ele é seu irmão e kazekage da sua vila!

- Hãn...bem...

- Diga qualquer coisa á ele para evitar essa loucura suicida! Qualquer coisa!

- Hãn...o-ok! E-ei, Gaara! - gritou Kankurou á plenos pulmões. - Não pule, não pode fazer isso!

- ...posso! - o outro gritou lá de cima. - Por quê não faria?!

- NÃO! Não faça isso porque....porque....porque você ainda é virgem!

Silêncio mortal. Todos estão imóveis e boquiabertos. O rosto de Gaara ficou completamente desnorteado e Kankurou percebeu que havia dito uma tremenda besteira.

- ...ai, agora ele pula mesmo.
~*~

Sakura vinha caminhando á passos lentos, sentindo as pernas trêmulas. Vez ou outra tropeçava nos próprios pés, tendo de ser amparada pelos braços de Kakashi.

De todas as suas fantasias, aquela ela nunca imaginava. Ir para o quarto da sogra ter um momento intenso na cama dela com seu antigo professor era loucura demais. Mas fora uma loucura muito boa.

Em um reflexo rápido, Sakura empurrou Kakashi para longe de si (o fazendo bater a cara na parede) quando Rock Lee veio correndo na sua direção.

- Sakura-san, venha para o jardim, rápido! Está acontecendo uma coisa terrível!

Mal disse isso, Lee correu de volta ao local e após uma rápida troca de olhares, Kakashi e Sakura foram ver o que se passava. Mas, ao colocarem os pés no jardim, Sakura foi abordada por uma Ino histérica.

- Sakura! Pode ficar com o pulha do Sasuke-kun! Eu acabei de encontrar o homem da minha vida!

- Pulha?! - rosnou ela. - Olha o respeito com...

- Como eu não tinha reparado nele antes?! É uma perfeição em todos os sentidos! É jovem, bonito, forte, misterioso, sensual...

Enquanto Ino desatava falar sobre todas as qualidades do tal cidadão, Kakashi notou que a guria parecia realmente excitada.

- ...e ele tem um...é enorme, Sakura! E como se não bastasse, há meu kage divino!

- Ino, pelo amor dos deuses do que ou de quem você está falando?

- DELE! - exclamou a loira apontando para o telhado. - Dá para acreditar que aquilo tudo nunca foi usado?!

Ao perceber o que era, Sakura trincou. Kakashi piscou algumas vezes para ter certeza de que era aquilo mesmo e então caiu na risada. Já Sakura demorou alguns segundos para assimilar tudo e então recobrou a consciência.

- Minha nossa! O que o Gaara está fazendo pelado encima da casa dos Uchiha?! E durante um funeral?!

- ...funerais podem realmente afetar o psicológico das pessoas. - filosofou Shino surgindo do nada. - Aliás, Sakura. Sei que você é médica... - ele arregaçou uma das mangas do blusão. - Há alguns dias atrás essas manchas começaram a surgir no meu corpo. Perguntei á Tsunade-sama e ela falou que sou alérgico á insetos, mas isso não pode ser possível, afinal eu sou um ninja especializado em insetos! Então achei melhor pedir a opinião de mais uma especialista.

- Deve ser isso mesmo. - rosnou Sakura impaciente. - Eu tenho de avisar o Sasuke-kun e o Itachi-san sobre esse kazekage tarado!

Disse isso correndo para dentro da casa, deixando Shino indignado. Ele procurou então abordar Ino.

- Talvez seja alergia. - faloua loira sem sequer olhar para as tais manchas, olhos fixos no telhado. - Me pega que eu te pego, Gaara-sama. Ah, sim. Isso vai ser muito bom...

Desconcertado, Shino afastou-se, resmungando que ninguiém possuía qualquer consideração por sua pessoa.

~*~

No escritório. os quatro shinobis aguardavam Maito Gai se acalmar. Vez ou outra, Itachi e Sasuke trocavam olhares rápidos. Enganar Naruto com a conversa de que Gai estava amordaçado por sofrer ataques epilépticos era fácil, mas Kiba não era tão lesado quanto parecia. Bom, se as coisas complicassem os dois sabiam que teriam de aplicar o mangekyou sharingan ou coisa do tipo.

O silêncio mortal foi quebrado por batidas na porta. Rapidamente Itachi colocou Maito Gai no sofá (que nesse ponto já estava começando a sentir os efeitos dos comprimidos), enquanto Sasuke abriu uma pequena fresta da porta.

- ...o que você quer, Sakura? Estou muito ocupado para os seus chiliques!

- Sasuke-kun é que...

- Oi, Sakura-chan!

- Naruto?! O que você está fazendo aí e...Kiba?! Itachi-san? - a garota piscou. - Desde quando vocês tem alguma amizade? Ei, é o Gai-sensei ali?

- NÃO! - gritou Sasuke. - Vá descascar amendoins e nos deixe em paz!

Ao ouvir aquilo, Sakura foi acometida por um misto de crise de choro com explosão de fúria. Quem Sasuke pensava que era para tratá-la com tanta arrogância? Não iria sentir um pingo de arrependimento do que fizera com Kakashi depois dessa. Em vez de desabafar tudo que estava entalado na garganta, ela optou por aplicar um violento soco na parede, rachando-a e fazendo um grande rombo.

- Sasuke-kun... - disse, com a voz e o sorriso mais doce que tinha. - Há um problema no telhado de sua casa. Um problema chamado Gaara.

- ...você veio aqui para...o que o Gaara está fazendo no telhado da minha casa?!

- Ele está louco e completamente nu.

Os olhos de Sasuke se arregalaram, assim como os dos demais, até mesmo do pobre Gai. Sasuke encarou Itachi que ordenou que ele fosse resolver a situação rapidamente enquanto ele vigiava o refém. Mas era bom que Sasuke retornasse logo para que pudessem se livrar daquele incômodo de collant. E Sasuke concordou.

Isso tudo foi decidido com uma rápida troca de olhares. Habilidade secreta do sharingan e dos irmãos Uchiha.

- Gaara loucão? Essa eu quero ver!

Kiba saiu empolgado, e Sakura e Sasuke o seguiram. Quando Naruto tencionou sair, Itachi fechou a porta. Silêncio.

- Se fizer movimentos bruscos, farei com que não faça mais nenhum movimento na vida.

Naruto Uzumaki engoliu em seco.

~*~

Do lado de fora, a situação encontrava-se altamente crítica. Gaara havia se agachado na beirada do telhado feito uma gárgula. Mesmo estando possuído pelo alucinógeno, tinha consciência de que sua reputção estava totalmente acabada.

- Gaara, por favor saia daí. - implorou Temari. - Venha para cá e iremos tomar um chá.

- Não!

- Se você não vier para cá eu irei até aí!

- ..o ...o quê?! - Shikamaru piscou. - Temari você está louca? É perigoso e...ei! Volte!

Mas Temari já estava caminhando com cuidado pelo telhado. Ao vê-la se aproximar, Gaara se encolheu feito um coelho assustado.

- ...me deixa sozinho!

- Você já ficou sozinho demais, Gaara.

Enquanto Gaara se afastava para mais perto da janela do banheiro, Temari avançava com passos incertos, Kankurou roía as unhas de nervoso e Shikamaru praguejava baixinho, os demais convidados assistiam á tudo com interesse.

Assim que Sasuke chegou ao jardim e presenciou a situação, foi acometido por uma indignação total.

- Mas o que esse doido está fazendo?! É o funeral do meu pai! Eu juro que vou processar esse débil mental por atentado violento ao pudor, calúnia e difamação!

- Sasuke-san! - chamou Lee surgindo do nada. - Estamos com um problema.

- É, eu já vi! Juro que quando o Gaara descer, vai ter mais um defunto nesse velório!

- Não é isso, é a sua mãe.

- Ah, claro! Rápido, não deixem que ela veja essa putaria! Ela está muito debilitada pela perda do meu pai e...

- Ela já viu.

Lee apontou para um canto onde a senhora Uchiha desmaiara e tentava ser reanimada por Genmma e Shizune, sem sucesso. Sasuke surtou.

- MÃE! Gaara, desgraçado! SAKURA! - ele pranteou á plenos pulmões. - Vá acudir minha mãe!

Ele então se aproximou da banda.

- Vocês...preciso que tratem de garantir que ninguém saía deste jardim até eu voltar!

- Quem vai sair e perder esse espetáculo? - Karin ajeitou os óculos, atenta no telhado.

- ...mas o que tmeos de fazer?

- Não sei, usem suas criatividades! - respondeu Sasuke para Juugo. - Façam o que sabem!

- ...podemos ficar tocando? - indagou Suigetsu com uma sobrancelha erguida.

- Ah, não sei! Façam um strip tease, parece que todo mundo tá querendo putaria mesmo e... - Sasuke se lembrou da foto comprometedora de seu pai. - Mas se alguém entrar na casa, toquem o mais alto que puderem!

- ...qual música?

- Sei lá, qualquer coisa!

Sasuke, aturdido, entrou novamente na casa enquanto os três músicos se encararam.

- Tá; - Suigetsu começou. - E o que vai ser? Marcha fúnebre ou o tema de psicose em homenagem ao kazekage loucão?

- Prefiro It's Rainning Man.

- Tu é uma ruivinha assanhada mesmo.

Foi então que Suigetsu e Karin começaram a trocar insultos de baixão calão enquanto Juugo assista ao show do kazekage saboreando uma tigela de amendoins.

~*~

Em um canto mais afastado do jardim, os três lendários sannins estavam a conversar animadamente sobre os bons tempos em que eram jovens e podiam fazer tudo. E o fato de estarem bebericando saquê, umas doses de cerveja e degustando amendoins, só fazia com que se sentissem mais relaxados.

- ...e vocês lembram daquela missão secreta em que tivemos de usar jutsus para nos travestir? - riu Tsunade. - Eu me tornei o cafetão Tsunon, o Jiraya era a Jirahana o Oorochi...qual era mesmo o nome?

Oorchimaru jogou seus longos cabelos para trás, dizendo com voz embargada.

- Oorchina, ao seu dispor.

Os três sannins caíram na gargalhada.

- Nossa, aquela foi a pior e mais divertida misão das nossas vidas!

- Lembra do ninja inimigo que gmaou em você? - indagou Oorochimaru sarcástico.

- Nem me lembre! Aquilo foi medonho! - Jiraya cuspiu no chão, com nojo. - Droga, preciso ir ao banheiro, estes amendoins não me caíram bem...pô, Tsunade! Quando você vai me curar?! Não aguento mais ficar nessa cadeira de rodas!

- Ei, olha lá! - excalmou Tsunade desviando do assunto. - Tem um cara pelado encima do telhado!

- Nossa, é mesmo. - Oorchimaru ficou interessado. - Parece que o pequeno Gaara do Deserto não é tão pequeno assim...

Jiraya pensou em retomar a conversa anterior e obrigar Tsunade a curá-lo, mas desistiu A súbita dor de barriga era aguda e ele sabia que quando  liberasse, ficaria incontrolável. Melhor procurar um banheiro antes que fosse tarde demais.

~*~


continua...

4 comentários:

• Ӗwerton Ľenildo.' disse...

*O* Caraca, adoreeei *-*

Parabéns, pelo texto, haha . '

woops! disse...

nossa gostei muito do seu blog! parabéns! bjs

http://woopsbloops.blogspot.com/

Tsu disse...

Oi Woops! Obrigada, o seu blog também é legal!!
E obrigada Ewerton!

Sandro Honorato disse...

kkkkkkkkkkkkkkk
Tivemos de segura-lo para que não se automutilasse kkkkkkkkkkk

Adorei o texto.
Desculep a expressão mas ficou "foda" xD


Beijos Tsu

Confira Também:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...